Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Livro Amor e Renúncia – A linda história de Jô

Nena Galves reuniu no livro Amor e Renúncia (Ed CEU)  a história de Joaquim Alves (o Jô), revelando documentos importantes  que retratam a interessante trajetória e atuação dos cristãos primitivos da época da Antiga Roma,  posteriormente  retomando sua caminhada na Terra  como trabalhadores incansáveis  da Doutrina Espírita.

São fotos, revelações e correspondências mantidas com Chico Xavier, Yvonne Pereira, Divaldo Pereira Franco, Wallace Leal, Clóvis Tavares e outros. Um dos mais interessantes é o bilhete escrito pelo próprio  Joaquim Alves comprovando ter sido ele o menino Silvano, personagem do livro Ave Cristo, de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier. Silvano  fora na época devorado  por um cão selvagem, revelando  na história  que   já trazia – ainda frágil criança –  acesa a chama da fé, ao lembrar da figura de  Jesus em seu momento final.

Nena Galves conta que  a ideia do livro foi sugerida por Chico Xavier, em uma das  visitas a Uberaba, com o também companheiro espírita  Miguel Pereira.

Chico, que fora por mais de três décadas um grande amigo de Jô, destacou seu grande valor como companheiro de lutas e o considerou um grande médium a serviço do Evangelho, enfatizando o fato de não existir, até aquele momento, uma obra biográfica que pudesse trazer ao conhecimento público aquilo que Jô realizara durante a sua encarnação, fosse nas tarefas doutrinárias, nas visitas a hospitais, penitenciárias, enfim, das variadas formas como ele bem sabia conduzir o benefício aos seus tutelados. Naquele noite  Miguel Pereira assumiu perante Chico o compromisso de levar a ideia adiante, incentivando alguém que pudesse trazer à baila tal realização. Convidou Nena Galves, que acabou recebendo “por acaso”  como  presente  de uma sobrinha de Joaquim Alves  a “herança” de  uma velha cômoda de que sempre gostou como mobiliário de decoração da casa do amigo. Mais importante que o móvel, Nena Galves acabou ficando também com a  papelada que caía aos montes de dentro dele. “ As almas se encontram no trabalho cristão”, resume a autora.

Ela lembra que Jô foi um grande herói do cristianismo, que renunciou sempre  com muita humildade e amor em favor da tarefa espiritual a  ser cumprida, divulgando a Doutrina Espírita na África, em Portugal ou realizando belíssimos trabalhos em Matão, na gráfica de Cairbar Schutel. Correspondia-se com todos os grandes espíritas. “Através das correspondências é que fomos conhecendo realmente a alma generosa daquele nosso grande companheiro. Hoje, falar de Joaquim Alves faz com que meu coração se enterneça”, desabafa Nena Galves. “Ele trabalhou muito – e  em silêncio. Teve uma vida de verdadeiro cristão,  que não perde tempo em  aparecer, mas  se mostra  pelo exemplo”.

Ela  deixa um recado aos espíritas menos avisados. “O fenômeno existe, mas sem o trabalho de amor e renúncia, nada existe por muito tempo. Podem negar o fenômeno, mas jamais poderão se  apagar os exemplos que ficam. Não se pode compreender o amor que não sabe renunciar e só sabe renunciar quem já aprendeu a lição”, conclui.

Por Eliana Haddad

Conheça nosso Facebook: https://www.facebook.com/centroespiritauniao